Serra da Moeda - MG

O Blog

O objetivo do Blog é simplesmente escrever, não estou almejando ser lida, nem seguida, nem acessada várias vezes. Simplesmente quero escrever. E que todos que passarem por aqui levem sempre uma "coisinha" boa, uma idéia, uma dica, uma frase, uma imagem, ou uma palavra apenas...

Gostaria de lembrar que um blog é uma opinião pessoal, um ponto de vista. Sei que nem sempre agradarei a todos, mas com certeza, a intenção sempre será a melhor possível!

quinta-feira, 5 de março de 2015

Mais um dia em Barcelona!

Se você me permitir dar uma dica, anote aí: Vá para a Europa no verão! Os dias são longos e você consegue fazer e visitar muita coisa, o sol brilha até às 21h. Tudo bem que, o calor é escaldante, mas para quem está acostumado com o calor do Brasil, nem é tão diferente!


Acordamos cedo, pegamos o metro e fomos conhecer outra grande obra de Gaudí, o Parc Güell.


Fomos de metro para o parque. Chega-se lá, pela L3 (sentido Trinitat), e pode-se descer tanto na estação Vallcarca quanto na Lesseps. Nós optamos pela primeira. A estação não fica próxima da portaria, é preciso fazer o restante do trajeto a pé.


E já adianto para você, é só subida. Em algumas ruas até existem escadas rolantes para ajudar, mas se você for sedentário como eu, chegará lá morto, rsrsrs! Mas a arquitetura das casas e a vista que vai surgindo servem de incentivo!




Parc Güell

O parque foi projetado por Gaudí, a pedido do empresário Eusebi Güell, para ser um conjunto de habitações de luxo.

Foto cedida por Felipe Ribeiro
Foto cedida por Felipe Ribeiro
E seria construído com o que existia de mais moderno e tecnológico na época. Tudo conversando com a arquitetura modernista de Gaudí.



O projeto previa a construção de 40 casas em meio a muito verde e tranquilidade. A ideia era criar um jardim-cidade em estilo inglês, por isso, no início se chamava Park Güell (com k).



O parque começou a ser construído em 1900 e foi um fracasso de vendas. Em 1922 Güell vendeu seu projeto para a prefeitura, e em 1926, o espaço foi aberto ao público em forma de parque.



O parque foi declarado, em 1984, Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.




Dentro do parque encontra-se uma casa onde Gaudí morou por quase 20 anos, a casa hoje é um museu.


Foto cedida por Felipe Ribeiro
Foto cedida por Felipe Ribeiro
Apesar do parque pertencer a fase final de criação de Gaudí, é possível reconhecer traços do início da sua carreira, como o românico, o barroco e o pré-romano.



Gaudí se inspirou na beleza da natureza. Uma das marcas dos modernismo catalão é a mistura de variados materiais, gerando contraste entre cores e texturas, e essa marca é amplamente vista no parque.




Carrer d'Olot, s/n - 08024, Barcelona

http://www.parkguell.cat/en/




Depois do Parc Güell, pegamos o metro e seguimos para o Montjuïc. Para chegar até lá, você precisa pegar a L2, direção Paral-lel. Mas acho que a L3 também chega lá, ou bem perto.



Você vai pegar um funicular até a entrada do parque. Chegando lá, para subir a montanha, você tem três opções, a pé (o que eu não aconselho), de ônibus ou de teleférico. Essa última foi a nossa escolha e recomendo! Enquanto o teleférico vai subindo, você vai apreciando as diversas paisagens que vão surgindo!



Montjuïc é uma montanha e nela há muitos pontos turísticos. Dentre eles, o Castelo, a Fundação Miró, o Museu de Arqueologia, o MNAC (Museu Nacional de Arte da Catalunha) e o Estádio Olímpico. Fomos direto para o castelo.


Para podermos ver as várias atrações que Montjuic oferece, subimos de teleférico e descemos a pé, em direção a Praça Espanha.



Castelo de Montjuic

O Castelo de Montjuïc é a antiga fortaleza militar de Barcelona e está situado no ponto mais alto da cidade, a 173m de altura, de onde tem-se vistas de tirar o fôlego.



Todo o passeio pelo Montjuic é lindo, aqui você encontrará natureza, silêncio, tranquilidade e quase não se lembrará que está em Barcelona, uma das cidades mais agitadas da Europa. Digo quase, pois as vistas que se tem da cidade, te lembrarão o tempo todo do frenêsi que está lá embaixo.



O castelo foi construído em 1640 e pouco depois foi um dos protagonistas da Guerra de Sucessão, entre 1705 e 1714. As tropas de Napoleão também ocuparam o castelo em 1808.




Hoje no castelo funciona o Museu Militar, não entramos no castelo, pois ainda queríamos ver muita coisa, e nosso tempo estava escasso. Lá de cima, você tem uma vista de 360º da cidade.




Avista-se os principais prédios, parques, e o mar com o porto de Barcelona.

Ctra. de Montjuïc, 66 - 08038, Barcelona



Fundação Juan Miró

Como já foi dito anteriormente, nosso tempo estava contado, então optamos por não entrarmos na Museu do Miró. Mas, se tempo não é o seu problema, não deixe de ir. É a coleção pública mais importante do artista.


Parc de Montjuïc

http://www.fundaciomiro-bcn.org/

Museu Olimpici de L'Esport

Continuamos descendo e chegamos ao Museu Olímpico e dos Esportes. Parada obrigatória para os esportistas. Barcelona foi a primeira cidade europeia a criar um museu para os esportes.



Av. l'Estadi, 60 - 08038, Barcelona

http://www.museuolimpicbcn.cat/cat/home.asp

Estadio Olímpico Lluís Companys




O estadio foi construído para abrigar a Exposição Internacional de 1929, e posteriormente foi totalmente reformado para receber os jogos Olímpicos de Barcelona em 1992. Ficando assim, conhecido no mundo todo.



Nele aconteceram as cerimônias de abertura e encerramento e as provas do atletismo.



Em alguns lugares do complexo olímpico as entradas são gratuitas, você ainda verá a pira olímpica, os anéis e a torre das comunicações, um importante projeto do arquiteto Santiago Calatrava.


No dia em que fomos no Palau Sant Jordi, existiam filas quilométricas, pois estavam vendendo ingressos para o show da Madonna. Foi no Palau Sant Jordi que nossa seleção masculina de vôlei, ganhou a primeira medalha de ouro em jogos olímpicos.



Se você tem mais de 30 anos, certamente se lembra dessa conquista histórica.

Paseo Olimpico, 17-19 - 08038, Barcelona

Foto cedida por Felipe Ribeiro



MNAC

Continuamos descendo e a próxima parada foi o Museu Nacional de Arte da Catalunha, o MNAC. Só o prédio por si já vale a visita. Ele é enorme e maravilhoso!



Em sua construção pode-se ver traços do renascimento, barroco e classicismo. Sua cúpula lembra a da Basílica de São Pedro, no Vaticano e as torres laterais são uma cópia da Giraldo de Sevilha.



O Palácio Nacional foi construído para a Exposição Internacional de 1929. Ele foi revitalizado e reaberto como museu em 2004.




O acervo conta com mais de 1000 anos da história da arte na Catalunha. Os dois destaques do museu são: a seção dedicada a arte românica, considerada a mais completa do mundo e a seção dedicada ao modernismo.




Você terá que fazer uma vista durante o dia e outra durante a noite, pois o prédio fica lindo com a iluminação noturna e um pouco mais a frente está a Fonte Mágica, outro ponto turístico que deve ser visitado a noite.




Palau Nacional, Parc de Montjuïc, s/n - 08038, Barcelona

http://www.museunacional.cat/ca

Fonte Mágica



Continuando descendo em direção a Praça Espanha, você passará pela Praça das Cascatas e pela Fonte Mágica, que são lindas tanto de dia quanto a noite.




A noite, a Fonte Mágica dança ao som de músicas de vários estilos, além de ir mudando de cor de acordo com a música. Assim, ela  consegue agradar a gregos e troianos.



No inverno, o espetáculo acontece logo quando anoitece, e no verão acontece bem tarde! Procure saber os horários com antecipação.



Plaça de Carles Buïgas, s/n - 08038, Barcelona

CaixaForum

Outro ponto turístico próximo é a CaixaForum. Trata-se de uma antiga fábrica têxtil, construída por Puig i Cadafalch, é um marco da arquitetura industrial moderna.

Av. Francesc Ferrer i Guàrdia, 6-8 - 08038, Barcelona

http://obrasocial.lacaixa.es/nuestroscentros/caixaforumbarcelona_es.html

Centro Comercial Arenas de Barcelona

Ao chegar à Praça Espanha, que é circular, você verá em seu centro uma linda e enorme fonte. O próprio nome já nos antecipa o que esperar, a fonte é chamada de Fonte Monumental. Mas não será só ela que chamará sua atenção, pois do outro lado está a antiga Plaza de Toros. Tão monumental quanto a fonte.


Li que a praça foi inspirada na Praça de São Pedro no Vaticano. Todo o complexo ao seu redor foi construído para a Exposição de 1929. A caminho para o MNAC estão duas torres, chamadas Venezianas. Elas receberam esse nome porque foram construídas à semelhança das torres da Praça de São Marcos, em Veneza.




Do lado oposto está a arena de touros, que foi construída em estilo neomudéjar (árabe), pelo arquiteto August Font i Carreras.



Durante a Guerra Civil Espanhola, ele transformou-se em quartel-general, depois voltou a ser praça para touradas e a partir de 2011 virou uma espécie de shopping.


O Centro Comercial Arenas de Barcelona, como a Plaza de Toros é conhecida hoje, é composto por várias lojas e restaurantes. Uma ótima opção é jantar por aqui, enquanto se espera o início do show da Fonte Mágica.



O terraço do prédio, que também é um mirante, é repleto de restaurantes. Como não tinha lido a respeito deles, escolhemos o que nos pareceu mais simpático, e com um astral melhor, para jantarmos. O escolhido foi o La Lola. Comida justa e preço nem tanto, afinal, estávamos bem em cima de um ponto turístico! (Mas, valeu a pena).




http://www.laloladelasarenas.com/en/

E uma dica para as mulheres: neste shopping há uma loja Kiko, que é uma franquia da loja italiana de produtos de maquiagem, produtos BBB (bons, bonitos e baratos - nem tanto quando se paga em euros)!





http://www.kikocosmetics.com/

http://www.kikocosmetics.pt/

Você pode chegar ao terraço pelos elevadores comuns do shopping (que são de graça), ou subir pelo elevador panorâmico, do lado de fora do prédio (que é pago).



A vista de cima do prédio é maravilhosa, avista-se toda a Praça de Espanha, a Av. Rainha Maria Cristina, o Parque Juan Miró e o MNAC.



Para ir embora as L1 e L3 do metro têm acesso direto ao centro comercial.


Gran Via de Les Corts Catalanes, 373-385 - 08015, Barcelona

http://www.arenasdebarcelona.com/

Bjim!

Fotos: @simonecmedeiros @vjvascon @felipecoeri

Nenhum comentário:

Postar um comentário